Bondes

Niterói conheceu o bonde ainda de tração animal em 1871, estando entre as sete primeiras cidades do país que contavam com tal melhoria.

A primeira concessão foi dada ao Ten. Cel. João Frederico Russel, nome bastante conhecido no Rio de Janeiro no setor de esgotos sanitários, e ao engenheiro Américo Tomás de Castro. Em outubro do mesmo ano a Companhia Ferro Carril Nictherohyense inaugurou a primeira linha que saía da estação das barcas de São Domingos (localizava-se próximo à Officina Rodrigues Alves, prédio ocupado atualmente pelo Mercado Cantareira), passava pelos bairros do Ingá e Icaraí, terminando junto ao Morro do Cavalão.

A Ferro Carril expandiu-se muito, tornando-se em 1877 a empresa Trilhos Urbanos de Nictheroy, do Comendador Domingos Moitinho.

Em 1905, Dr. Nilo Peçanha, presidente do Estado do Rio, então em seu primeiro governo, pressionou a Companhia Cantareira para que transformasse o sistema animal em elétrico.

As obras de melhoria criaram grande expectativa na população, fazendo com que o povo comparecesse em massa à cerimônia de inauguração, realizada no último dia de mandato do Dr. Nilo Peçanha, em 31 de outubro de 1906.

Saindo da Praça de São Domingos (atual Leoni Ramos), o bonde presidencial percorreu o Ingá, contornou o litoral até Icaraí até o final da Praia de Icaraí, retornando pelo mesmo caminho, subindo, depois, a Rua da Constituição (atual Miguel de Frias).

Os bondes funcionavam regularmente até bem pouco tempo, quando foram retirados definitivamente de circulação.

(Fonte: “Capítulos da Memória Niteroiense, de Carlos Wehrs, 1989)

(Publicado no boletim semanal do Rotary Club de Niterói Icaraí, de 18/10/1995)

* Foto do cabeçalho: bonde vindo de Icaraí, 1906, autor desconhecido.

 

Galeria
(Clique sobre as fotos para ampliar)

 

 

Anúncios