“Palacete Hermann Bekenn”

Hermann Bekenn era alemão, chegado ao Brasil em fins do Século XIX. [Mais tarde buscou nacionalidade brasileira, mas teve seu processo indeferido em tempos de pouca simpatia aos cidadãos germânicos, devido à segunda grande guerra]. Iniciou a vida como Guarda-livros depois Negociante de Açúcar, chegando ao seu ápice como Industrial na Companhia Fábrica de Tecidos Dona Isabel (Petrópolis).

Com muitos endereços declarados, era o Palacete da Praia de Icarahy, número 407, o mais nobre e destacado, onde, a partir das núpcias com a Srta. Antonietta de Andrade, de influente família tradicional do Distrito Federal [Rio de Janeiro], fixou residência e instalou a família na primeira década do século XX.

Após sua morte em 1945, a família, sob a liderança do primogênito Maurício Bekenn, arrenda o imóvel para a instalação de um estabelecimento de pensão, mais tarde a famosa Pensão Roma, na esquina com a rua Dr. Belisário Augusto.

A tradicional pensão se manteve no imponente palacete até os primeiros anos da década de 1980 quando então foi, lamentavelmente, demolido para dar espaço ao Restaurante L´Amore, também chamado “Castelo de Icaraí” [Contudo o edifício não tinha a menor qualidade arquitetônica e passava longe da nobreza do Palacete eclético de linhas francônicas].

O restaurante, decadente, logo cederia espaço a mais um empreendimento imobiliário e o Condomínio do Edifício Palazzo Del Mare se instalaria no nobre endereço em meados dos anos 1990.

(Fonte: Olhar Nictheroy, Facebook, 25/3/2016. Acesso: 1/11/2016.)

(Texto apresentado na reunião semanal do Rotary Club de Niterói Icaraí de 8/2/2017)

*Foto de capa: a residência de Hermann Bekenn já funcionando como Pensão Roma.)

 

Galeria
(Clique sobre as fotos para ampliar. Fotos: sem autor, 1908)

Anúncios

Residências e comércio

A finalização das obras em Icaraí do Plano de Arruamento de 1840-41, a implantação dos bondes e da iluminação pública à base de energia elétrica, entre outros melhoramentos introduzidos, foram trazendo pouco a pouco no início do século passado, famílias de nível econômico mais elevado para fixar residência no bairro. Já naquela época a Praia de Icaraí atraía grande contingente da população de Niterói para o banho de mar terapêutico.

Surgiam residências “elegantes e esmeradas, de vários estilos, com jardins bem cuidados e de bom gosto, embora algumas um pouco extravagantes.” As construções se localizavam principalmente à beira da praia. Porém havia muitos casarões pelo interior do bairro que pertenciam a capitalistas, grandes comerciantes, profissionais liberais, diretores de empresas nacionais e estrangeiras, políticos e industriais do Rio e de Niterói.

Eram conhecidas as residências da família Miguelote Viana (Rua Gavião Peixoto 250), de Armindo de Morais (Rua da Regeneração 116, atual Otávio Carneiro), de Henrique Mutzenbecher, Hermann Bekenn, Antônio Monteiro de Queiroz, Dr. Afonso Abreu Lima, Dr. Antônio Pedro Pimentel (este último, fundador da Faculdade Fluminense de Medicina), todas situadas na Praia de Icaraí.

Havia, também, um pequeno comércio – emergente ainda – no interior do bairro, principalmente ao longo da Rua Gavião Peixoto, onde hoje se encontra a maior concentração comercial de Icaraí.

Como se vê, muitas das tradições e características do bairro, que atualmente norteiam o comportamento dos moradores de Icaraí – área considerada nobre, o privilégio de morar à beira da Praia e a localização do comércio nas ruas internas – surgiram naquela época e foram consolidadas ao longo dos anos.

(Fonte: “Niterói, Cidade Sorriso”, de Carlos Wehrs, 1984)

(Publicado no boletim semanal do Rotary Club de Niteroi Icaraí, de 1/11/1995)

*Foto do cabeçalho: o antigo Palacete Hermann Bekenn já como Pensão Roma, década de 1980, autor desconhecido.

 

Galeria
(Clique sobre as fotos para ampliar)